RO é o 2º estado do país com maior número de mortes em conflitos de terra em 2018, aponta estudo

Ela foi morta a tiros enquanto se deslocava de carro a um acampamento, em Seringueiras. O levantamento descreve a vítima como uma liderança que apoiava famílias na luta por terras. Na ocasião, a filha do homem, de 16 anos, chegou a ser atingida pelos disparos.

Ainda em julho, ocorreram os dois últimos homicídios registrados. As vítimas em questão são dois jovens, de 23 e 24 anos, assassinados a tiros no município de Nova Mamoré. A região onde o crime aconteceu é citada no levantamento como uma área ocupada há aproximadamente três anos por 105 famílias.

O estudo cita que há indícios de que as terras em disputa pertençam à União. A CPT afirma também que as famílias da região já tinham alertado os órgãos públicos sobre a possibilidade de confronto que terminou ainda com a morte de um policial militar.

E nos últimos anos?

O levantamento de 2018 confirma uma queda consecutiva no número de assassinatos relacionados a conflitos de terra em Rondônia. O mesmo já havia ocorrido em 2017, quando foram registradas menos mortes em relação a 2016.

No entanto, o estudo mostra que o estado ainda é o segundo colocado no número de mortes no campo pelo segundo ano consecutivo. A liderança ainda é do Pará, que fechou 2018 com quase o triplo de mortes registradas em Rondônia. Um total de 16.

Publicidade

Já nos anos de 2015 e 2016, Rondônia chegou a liderar o ranking de violência no campo.

O estado também está na segunda colocação na Região Norte em número de conflitos no campo em 2018. Situação que não mudou nos levantamentos anteriores, onde Rondônia marcou presença nas primeiras colocações durante os últimos cinco anos.

Fonte: G1 RO

Comentários no Facebook