Travesti de Rondônia é assassinada em Brasília

Uma travesti de 21 anos foi assassinada com um tiro nas costas na noite desta terça-feira (4), em Taguatinga, no Distrito Federal. Karliane Vitória morreu próximo a um quiosque onde, segundo a Polícia Civil, travestis costumam receber clientes para programas. Ninguém foi preso.

Na delegacia, uma testemunha contou que viu a vítima andando na frente de um ciclista, apontado pelas investigações como o principal suspeito do crime. Em depoimento, essa pessoa disse que a vítima gritou por socorro e, em seguida, “ouviu vários disparos”.

Assustada, a testemunha correu no sentido contrário, mas outras pessoas afirmaram ter visto o ciclista fugindo em direção a um local conhecido como “favelinha”, na mesma região. De acordo com a perícia, Karliane foi atingida por um disparo de arma de fogo 22 milímetros.

O caso está sendo investigado pela 21ª Delegacia de Polícia. O aparelho celular da vítima foi apreendido e será periciado.

Outro crime

Em janeiro do ano passado, outra travesti também foi morta na mesma região. Câmeras de segurança de uma central de distribuição dos Correios registraram o momento do crime (Clique aqui para ver o vídeo). Ágatha, na época com 23 anos, entrou correndo no galpão e tentou se esconder.

 

Outras travestis apareceram logo depois, armadas com facas. Entre prateleiras, uma delas agarrou a vítima pelos cabelos e a esfaqueou enquanto as demais seguravam Ágatha.

Ao fazer os indiciamentos, a delegada Gláucia Cristina disse que já havia um desentendimento entre a vítima e as suspeitas motivado por ciúmes. “Ágatha discordava da forma que essas algozes viviam brigando e roubando seus clientes. E o ciúme existia porque a Ágatha, de fato, era muito bonita”.

As suspeitas respondem por homicídio qualificado. A pena pode chegar a 30 anos de prisão.

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.

Comentários no Facebook